<$BlogRSDUrl$>

Tuesday, August 17, 2004



Descrever o que sinto por dentro nunca foi tarefa fácil e no entanto o que me fascina é a descoberta por detrás das entrelinhas.

A vida fez-me assim, olhar vivo e não creio que caiba aqui o termo revertível para algumas coisas em mim … pedras lançadas, palavras ditas, escritas, frases que ficam e que fincam algum detalhe por menor que seja, por mais ínfimo que pareça.

Algumas coisas não voltam e não há para elas um processo que implique um retrocesso … Apesar disso não posso esquecer, ficam cá estagnadas, cravadas como pedras de diamante, que cortam, arranham e se separam… mas ficam!

Não penso nos meus momentos de sensatez, fecho-me e por dentro fico no encalço da saída, a ida para outro lugar, um ponto que converge em rectas congruentes, um espaço, um grito, a dor, a perda dos sentidos, da razão … e …

Não é simples, por mais espontaneidade que haja há palavras que não devem nunca ser ditas.
Deito fora as minhas metáforas, porque são a chave, mascaro, enfeito, dou voltas e por cada volta fico presa a outra volta que na volta ficou atrás, pelo simples prazer de não me fazer entender.

Uma prova?! Vê, volta “22” linhas atrás e encontras também as tuas palavras, em gavetas talvez, ou nas páginas de uma agenda, ou numa caixa velha cheia de coisas perdidas, de lembranças que deviam ser esquecidas…de vida vivida?!

Gosto destas palavras, elas são um corpo que se apodera da minha alma desgarrada e as palavras vão e vêm, as frases incompletas, a magia de brincar com o inexacto, o incorrecto, o inviável …

Deixem que os meus olhos descansem agora … Hoje não consigo escrever, quando os dedos se movem de um para o outro lado, sinto-os negando a intenção da simples ordem de cair na tecla desejada. Há vontade, mas talvez não haja palavras … palavras tontas … as minhas palavras.

Todos se afastam quando o mundo está errado e afinal o que temos … apenas um catálogo de erros …fechem as portas, as janelas, apaguem as luzes já que não há mais nada a não ser estas minhas palavras sem forma … como eu.



This page is powered by Blogger. Isn't yours?