<$BlogRSDUrl$>

Monday, November 29, 2004

JUST SAY...
 




Um dia tirei do fundo das gavetas lembranças que não uso e que não quero mais!
Peguei nas palavras de raiva e de dor que estavam na prateleira de cima da estante, e atirei-as fora!

Recolhi com carinho o amor encontrado, dobrei direitinho os desejos, coloquei perfume na esperança, passei um paninho na prateleira das minhas metas, deixei-as à mostra, para não as perder de vista.

Coloquei nas prateleiras de baixo algumas lembranças da infância, na gaveta de cima as da minha juventude e, pendurado bem à minha frente, coloquei a minha capacidade de amar,e principalmente de recomeçar. ..



Sunday, November 28, 2004



Se pudéssemos parar o Tempo, estaríamos sempre assim ... felizes, apaixonados, em perfeita e completa harmonia.
Nós, uma labareda agitada na lareira, uma música tranquila e ... muito amor.
(J.P.)



Thursday, November 25, 2004



As palavras são seres minúsculos, ou seres omnipotentes.

Podem cair no mar, ou na terra. No mar, podem ficar no fundo, ou boiar na limpidez das águas. Na terra, podem cair no lodo, ou florescer, quando for meio-dia.

Gostaria de te dizer que estou especialmente feliz. Tomara que seja já amanhã!



Tuesday, November 23, 2004



Os meus pés no tablier do carro, os cabelos ao vento, o teu sorriso lindo, o brilho dos teus olhos ...bastas-me tu para ser assim tão feliz!

Basta-me o teu cheiro doce, os teus sonhos, os teus beijos, as noites em que fazemos amor ...

Não te quero paciente, quero-te natural.

Os meus pés no tablier do carro, um braço sobre o meu ombro, uma gargalhada, uma piada ... Nesse momento esqueço tudo ... os problemas, a vida acidentada, basta-me olhar-te e ver-te descansado; então sonhamos juntos, em fugir ... não sabemos bem de quem ou de quê, apenas fugir, partir sem destino, passar o resto das nossas vidas sumidos, desaparecidos ... perdidos.

A mim ... basta-me acordar a teu lado todas as manhãs, regressar a casa e ter aquele beijo ardente à chegada; basta-me o banho juntos, o livro que lemos, a vida que aos poucos estamos a construir.

Os meus pés no tablier do carro, olhas-me e perguntas: "Vem viver comigo ... "
Continuamos "estacionados" junto ao mar, e continuas a sussurar-me ao ouvido: "Vem viver comigo ..."

De repente saio do carro, bato com a porta, de repente esqueci que não sou sonhadora, que tenho medo de voltar a sentir a "DOR", esqueci tudo, olho para ti, abro os braços e grito rodopiando: "Vamos fugir meu amor".

A resposta é SIM.



Monday, November 22, 2004

again ...
 



... desta vez ...



Wednesday, November 17, 2004

EGG-STREME GOLF...
 





MY LOVE COMES TO ...
 





MURMÚRIO 2
 





MURMÚRIO
 





Sunday, November 14, 2004



Naquele instante…instantâneo, transparente, lúcido … ocorrem todas as ideias, todas as artes abstractas, todas as vozes … todas as desgraças …

Instantâneo aquele momento presente, que deixando de ser momento, torna-se eternidade …

Aumenta a pressão … pressionando … a hesitação, aumenta a dor repleta de felicidade, a confissão confessada …
Passagem ….



Wednesday, November 10, 2004



Sou a ausência do eu,
Sou a ausência das palavras,
Sou a ausência da comunicabilidade.

Sou uma pedra
De linhas estéticas humanas.
Sou a ausência do eu,
Sem voz,
Colocada no chão oblíquo da terra.



Tuesday, November 09, 2004



Quando eu chegar pertinho de ti sem nada dizer e permanecer em silêncio, fala comigo e arranca tudo o que poderes;

Se notares que estou a ponta de chorar, não me diga não chores;

Quando eu chegar com muita raiva de alguém, não tentes convencer-me que estou errada;

Se eu começar a relatar as minhas mágoas, por favor, ouve-me;

Quando eu expuser as minhas decepções, frustrações, fracassos e tantos sentimentos dolorosos, em outras palavras estou a dizer-te que preciso do teu colo;

Quando eu baixar os olhos para o chão, não digas “olha para cima”, eu posso estar a procurar dentro de mim as respostas de que necessito;

Quando eu aparecer com medos, inseguranças, preocupações ansiedades e tantas outras emoções, por favor, não me fales de terapias, métodos, remédios, fórmulas prontas e nem de receitas da vida.

Entende uma coisa, quando eu me abro para ti tudo me parece mais simples, mais fácil de lidar. O que nos une é forte demais para desafiar os limites de tolerância.

Quando finalmente, eu abrir um amoroso e fortalecido sorriso, abraça-me carinhosamente, diz: “estamos juntos amor”.



Friday, November 05, 2004

POINT OF VIEW
 





Wednesday, November 03, 2004



NÃO TENHO FILHOS e tremo só de pensar.
Os exemplos que vejo em volta não aconselham temeridades. Hordas de amigos constituem as respectivas proles e, apesar da benesse, não levam vidas descansadas. Pelo contrário: estão invariavelmente mergulhados numa angústia e numa ansiedade de contornos particularmente patológicos. Percebo porquê.
Há cem ou duzentos anos, a vida dependia do berço, da posição social e da fortuna familiar. Hoje, não.

A criança nasce não numa família mas numa pista de atletismo com as barreiras da praxe: jardim-escola aos três, natação aos quatro, lições de piano aos cinco, escola aos seis. E um exército de professores, explicadores, educadores e psicólogos, como se a criança fosse um potro de competição.

Eis a ideologia criminosa que se instalou definitivamente nas sociedades modernas: a vida não é para ser vivida - mas construída com sucessos pessoais e profissionais, uns atrás dos outros, em progressão geométrica para o infinito.

É preciso o emprego de sonho, a casa de sonho, o maridinho de sonho, os amigos de sonho, as férias de sonho, os restaurantes de sonho, as quecas de sonho. Não admira que, até 2020, um terço da população mundial estará a mamar forte no Prozac.

É a velha história da cenoura e do burro: quanto mais temos, mais queremos. Quanto mais queremos, mais desesperamos. A meritocracia gera uma insatisfação insaciável que acabará por arrasar o mais leve traço de humanidade. O que não deixa de ser uma lástima.

Se as pessoas voltassem a ler os clássicos, sobretudo Montaigne, saberiam que o fim último da vida não é a excelência, Mas a felicidade …"


João Pereira Coutinho




This page is powered by Blogger. Isn't yours?