<$BlogRSDUrl$>

Thursday, December 29, 2005



Quem Sou Eu

Um dia a ternura do mar beijou os olhos da lua.
E eu nasci.

Sou filha do mar e da lua.
Quando olho para o mundo
Não sei se sou sol
Se sou lua...
Não sei se sou mar
Se sou terra...
Não sei se sou flor
Se sou pedra...

Pondo a maré-cheia nos meus olhos
Eu seria mar...
Pondo uma flor na mina boca
Eu seria terra...

Mas a terra e o mar
São dois bocados bonitos do mundo...

Depois,
Seria só pegar nos cadilhos da lua....
E seria o ser que gostaria de ser.



Wednesday, December 28, 2005



Ah, meu amor!

Não sei definir tempo!
Só sei que o tempo tem tempos.

Tempo de ontem,
Tempo de hoje,
Tempo de amanhã.
Tempo de saudade,
Tempo de coragem,
Tempo de esperança.

Há tempos que não deviam estar no tempo...

Há tempos que fogem
Como pássaros em debandada de susto...

Há tempos que fogem
Como pôr de sol em dias de chuva...

Ah, meu amor!
Eu deixei fugir tempos!...

Se eu ainda os agarrar,
Planto-os numa vastíssima tira de terra,
Com o sol ao lado da lua...
Com um grande pedaço de mar
À espera de um rio...

Então,
Farei o tempo parar.
O que não interessar,
Ficará fora deste tempo...

Tu ficarás dentro do meu tempo construído.
Ah, meu amor!



Thursday, December 22, 2005



Perdi-me de ti, sublimei os sonhos, endeusei o vazio, invoquei felicidade efémera, os movimentos lúcidos, os laivos da memória errante.
Descortinei entre nuvens opacas os contornos de uma vida idealizada, os destroços de um sonho sem rumo, a morte anunciada da Paixão.

(Margarida Fernandes Neves)



Wednesday, December 21, 2005



Às vezes sinto não sei o quê!
Uma mistura de revolta, desalento, de cansaço; às vezes sinto que estou a mais, às vezes quero que ninguém goste de mim, sinto que não mereço; às vezes e muitas vezes perco-me em pensamentos e gosto de me perder, não são pensamentos mágicos, não são pensamentos de sonho, são pensamentos estranhos, tal como o “meu” mundo estranho.
Às vezes e muitas vezes, quero perder-me, quero acabar perdendo-me …Por vezes perco o “filtro” de ver os “outros”, e nessas alturas …
Às vezes quero fugir, ir embora, diluir-me nos confins da terra, or nas profundezas do mar …
Às vezes … às vezes choro, muitas vezes sem saber porquê! Choro porque choro, choro por dentro muitas vezes.
Às vezes refugio-me numa criança, preciso daquele abraço, daquele sorriso, daquela ternura …
Às vezes, muitas vezes perco-me no conta rotações do carro, afinal quem comanda Eu ou … E vou ao limite, e sinto o “chimbre” do volante e vou mais além …
Às vezes perco a paciência, perco a vontade, perco a tolerância, perco o amor, perco vidas tantas … às vezes.
Um dia perco-me de vez … e nesse dia, esqueçam-me, ignorem-me, queimem-me, façam frases anedóticas sobre mim, façam tudo menos dizerem bem de mim …
Às vezes … tantas vezes …



Monday, December 19, 2005







Sunday, December 18, 2005

FELIZ NATAL
 




Wednesday, December 07, 2005

DEVOTED TO THE PERSONS I WILL ALWAYS LOVE
 



“If tomorrow starts without me,
And I'm not there to see,
If the sun should rise and find your eyes
All filled with tears for me;
I wish so much both of you wouldn't cry,
While thinking of the many things,
We didn't get to say.

I know how much you love me,
As much as I love you,
And each time that you think of me,
I know you'll miss me too;
But when tomorrow starts without me,
Please try to understand and explain to him,
That an angel came and called my name,
And took me by the hand,
And said my place was ready,
In heaven far above, and that I'd have to leave behind all those I dearly love.

But as I turned to walk away,
A tear fell from my eye
For all my life, I'd always thought,I didn't want to die.
I had so much to live for,
So much left yet to do,
It seemed almost impossible, that I was leaving both of you.

I thought of all the yesterdays,
The good ones and the bad,
The thought of all the love we shared,
And all the fun we had.
If I could relive yesterday,
Just even for a while, I'd say good-bye and kiss both of you
And maybe see you smile.

But then I fully realized,
That this could never be,
For emptiness and memories,
Would take the place of me.
And when I thought of worldly things,
I might miss come tomorrow, I thought of you and him, and when I did,
My heart was filled with sorrow.

But when I walked through heaven's gates, I felt so much at home.
When God looked down and smiled at me,
From His great golden throne,
He said,
"This is eternity, and all I've promised you. Today your life on earth is past,
But here life starts anew.
I promise no tomorrow,
But today will always last,
And since each day's the same way
There's no longing for the past.
You have been so faithful,
So trusting and so true.

Though there were times you did some things you knew you shouldn't do.
But you have been forgiven and now at last you're free.
So won't you come and take my hand and share my life with me?
"
So my love when tomorrow starts without me,
Don't think we're far apart,
For every time you think of me, I'm right there, right in your lovely hearts.”

(Desconheço autor)



Friday, December 02, 2005

VICTOR SIMON
 




This page is powered by Blogger. Isn't yours?