<$BlogRSDUrl$>

Friday, June 30, 2006



Às vezes sinto “um não sei quê”, como se quisesse gritar o que sinto, mas não sei o que sinto.
Por vezes sinto-me … Vazia;
Por vezes sinto-me perdida no mundo que criei, desorientada…

Por vezes sinto-me triste com a imagem reflectida no espelho … Desconhecida.

Por vezes sinto-me...
São tantas as vezes que perco a conta; São tantos os porquês, que sufoco, sufoco com as vezes que me sufoco!

São tantas as vezes em que espero, por ti, por alguém...por ninguém…

Não há caminho para mim, não enquanto estou parada.
Não enquanto estou de olhos fechados, não enquanto tiver medo.

Por vezes sinto-me capaz de vencer o mundo e nessa altura sou Eu
Por vezes sinto-me capaz de ir em frente …

Por vezes estas vezes são mais vezes, por vezes as outras vezes desaparecem
Risco-as de mim
Risco-as do meu dicionário
Levantei a cabeça...
E por vezes vou vencendo

Um dia depois do outro … por vezes são tantas as vezes que já lhe perdi a conta.



Thursday, June 22, 2006



“I was living my life
I was living on my own
Then i felt something weird
I lost my control
There's a strange feeling here and there's nothing to hold
But then i felt you, it was something like...
I called you special golden rope
Cause there you are when I’m lonely
I really breath the air you breath
I’m walking slowly as I’m thinking that
We are two bodies for one unique soul
How do you know me?
But I’ll never know me like you do.
When I’m locked in my room
I get free in your world
I’m lost in your doom
You made the change there are bits of you stuck all over me
I get closer to you
I get completely free
I’m crazy alone, but I hear your smile
I see nobodybut you know my eyes
How do you know me?
But I’ll never know me like you do...”



This page is powered by Blogger. Isn't yours?